Trabalho digital em lentes feministas marxistas: entrevista com Kylie Jarrett

Atualizado: Ago 19

Autora dos livros Feminism, Labour and Digital Media: The Digital Housewife e #NSFW: Sex, Humor, and Risk in Social Media

Por DigiLabour

Texto publicado originalmente no site DigiLabour


Kylie Jarrett é professora de Estudos de Mídia na Maynooth University, na Irlanda, e pesquisa trabalho digital e economia política das mídias digitais em interface com o feminismo. É autora dos livros Feminism, Labour and Digital Media: The Digital Housewife e #NSFW: Sex, Humor, and Risk in Social Media com Susana Paasonen e Ben Light.

Jarrett conversou com DigiLabour sobre os desafios de compreender o trabalho digital a partir de lentes feministas marxistas.


DIGILABOUR: Quais são os pontos centrais de uma perspectiva feminista em relação ao trabalho digital?


KYLIE JARRETT: O ponto central das perspectivas feministas abordadas por mim é que o capitalismo é muito mais do que um modo de produção que consiste apenas em práticas, processos e sistemas econômicos e de trabalho. O olhar feminista acrescenta a isso a importância, se não a centralidade, da esfera da reprodução social para a economia. Ao fazê-lo, chama a atenção para as maneiras pelas quais a subjetividade, a individualidade, o desejo e os relacionamentos já estão entrelaçados à atividade capitalista. Com isso, recusamos a aceitar que haja novidade nas maneiras pelas quais nossa vida cotidiana são centrais para a atividade econômica por meio de contribuições não pagas que fazemos às plataformas de mídias sociais, apesar de haver muitas reivindicações em contrário. Se vemos o capitalismo como sempre exigindo a exploração do trabalho não pago para funcionar – seja trabalho doméstico, reproduzindo o corpo do trabalhador ou nossas práticas de autoprodução que alimentam as máquinas da economia digital – podemos ir além de apenas confirmar que os usuários são explorados rumo a críticas mais ricas a essa dinâmica.


DIGILABOUR: O que é a “dona-de-casa digital”?

KYLIE JARRETT: A dona-de-casa digital é um dispositivo retórico usado para colocar as críticas feministas ao trabalho doméstico no centro de nossa compreensão do trabalho digital. Não é para se referir a nenhuma correspondência direta entre as qualidades particulares do trabalho doméstico não pago e o de alguém que clica em um botão de curtir no Facebook: os dois tipos de atividades são bem distintos e têm relações de poder muito diferentes. No entanto, tanto o usuário de mídias sociais quanto a dona de casa tradicional ocupam uma posição estrutural semelhante, tanto dentro quanto fora da economia, e assim os estudos do trabalho doméstico fornecem modelos úteis para entender o trabalho digital. Deve-se dizer, no entanto, que não se trata realmente de uma “esposa” ou especificamente de mulheres, nem implica que as mulheres sejam apenas aquelas envolvidas no trabalho doméstico e de assistência. O termo é usado conscientemente, porém, porque fala da importância da figura da dona-de-casa no pensamento feminista que há muito tempo é negligenciado nas pesquisas críticas em relação ao trabalho digital.

DIGILABOUR: O que significa, em sua visão, queer-izar a alienação?


KYLIE JARRETT: A economia queer é outra estrutura por meio da qual incomodo as lentes dominantes para criticar a dinâmica do trabalho digital. Em estudos críticos sobre mídias sociais, geralmente há um uso sub-teorizado do conceito de alienação. Na tradição marxista, essa noção remonta aos Manuscritos Econômicos e Filosóficos, nos quais são descritos vários tipos de alienação. No entanto, a alienação do ser-espécie é a que normalmente é mobilizada nas críticas ao trabalho digital, na alegação de que os processos de mercantilização nos desassociam inerentemente de nosso verdadeiro eu. Essa forma de alienação, no entanto, se baseia na existência de um estado pré-lapsário de totalidade do qual podemos nos divorciar. No entanto, esse estado normalmente tem sido negado a grupos subalternos que, sempre sendo ‘o Outro’, não têm um ser singular para retornar ou se separar. Observar as práticas de trabalho digital por meio de uma lente queer – ou de qualquer outra lente que não centralize a totalidade orgânica – complica e talvez negue suas propriedades por minar fundamentalmente a identidade de individualidade. Isso, por sua vez, sugere que devemos concentrar mais nossa atenção crítica nas consequências objetivas e materiais dessa atividade, como aumento da discriminação e dos esforços do Estado coercitivo ou do poder corporativo.

DIGILABOUR: Como compreender o trabalho do consumidor por meio de lentes feministas marxistas?

KYLIE JARRETT: Usando o feminismo marxista, podemos entender o trabalho não pago dos usuários como parte integrante da economia e, assim, profundamente enredado na acumulação capitalista. Ao mesmo tempo, a dualidade ou o hibridismo que são permitidos pelo pensamento feminista e queer, e que são claramente articulados no modelo de Leopoldina Fortunati de incorporação do trabalho doméstico ao capital, permitem que ele seja simultaneamente um local de autocriação e sociabilidade significativas e inalienáveis. Eu gosto de um tweet e isso significa algo para mim e para o destinatário, mas também gera um ponto de dados que é coletado, agregado e analisado por meio de vários mecanismos para se tornar algo de valor para o Twitter e várias empresas de publicidade e marketing. Essa perspectiva nos permite aceitar que o trabalho digital é uma atividade real, rica e gratificante, mesmo sendo calculado como parte da mais-valia. Essa perspectiva também percorre um caminho por meio dos debates intermináveis ​​sobre se esse tipo de trabalho não remunerado é alienado ou não. Se aceitarmos que a reprodução social não pode ser diretamente incorporada ao capitalismo, mas ainda assim permanecer parte integrante de seu modo de acumulação, podemos argumentar que o trabalho digital pode ser alienado e inalienável. Uma visão final trazida por minhas abordagens feministas marxistas é reconhecer que o trabalho digital também envolve reproduzir um eu que é (potencialmente) de valor para o capitalismo. Como a atividade de cuidar de um pai/mãe para um filho, a atividade de clicar em curtir é sobre produzir e reproduzir um trabalhador capaz de contribuir para a economia. Cada curtir, cada atualização de status, cada retweet faz parte de uma sociabilidade complexa e inalienável que, no entanto, informa nossos desejos e esforços contínuos para contribuir com a economia digital. Isso refuta o conceito de falsa consciência e, assim, complica o modo como entendemos o papel do inalienável no capital.

DIGILABOUR: O que você está pesquisando atualmente sobre os trabalhadores das plataformas?

KYLIE JARRETT: Tendo sido chefe de departamento nos últimos anos, infelizmente não tive tempo para muita pesquisa nos últimos anos. No entanto, estou prestes a embarcar em um projeto com a difícil tarefa de definir e tipificar o trabalho digital. É um termo que é amplamente utilizado, mas é definido apenas de maneira vaga. Quais são os limites do que é definido como trabalho digital? O que é definido como trabalho? O termo abrange trabalho formal remunerado para o Google, trabalho em plataformas, web design freelancer e trabalho não pago do usuário? Inclui trabalho substancialmente transformado pela digitalização, como trabalho nos escritórios ou apenas aqueles que dependem de tecnologias digitais para sua existência? O trabalho nos setores de extração e descarte de lixo eletrônico da economia digital está incluído? Estas são apenas as questões de abertura do meu projeto. Depois de navegar por eles, o próximo passo é considerar quais qualidades, práticas ou processos são comuns na variedade de papéis e práticas que se enquadram no guarda-chuva do termo “trabalho digital”. Os resultados dessa pesquisa serão publicados em um livro – criativamente chamado (risos) – de Digital Labour, a ser publicado pela Polity Press.

13 visualizações

© 2020 - Observatório Da Crise / Fundação Lauro Campos e Marielle Franco

Alameda Barão de Limeira, 1400, Campos Elíseos, São Paulo (SP)