“Nova” ultradireita não é fascista… ainda

Há proximidade. Para Gramsci, o fascismo surge em momentos de crise do capitalismo, inflado pelo medo da burguesia diante dos movimentos populares. Mas ultradireitistas não conseguiram superar a classe que os impulsionou… até agora

Por Grupo de Pesquisa Poder Global, Desigualdade e Conflito (RGPIC)

Texto publicado originalmente no site Outras Palavras


Este artigo aborda um tema que surgiu nas discussões de diferentes estudiosos sobre a linguagem que está sendo usada para descrever os líderes populistas de direita contemporâneos neste período de crise na ordem capitalista neoliberal. Um número significativo de acadêmicos, incluindo acadêmicos marxistas, rotulou Trump e Bolsonaro como fascistas [1]. Nenhum de nós chamaria Trump ou Bolsonaro de fascistas ou proto-fascistas. Isto não se deve a nenhuma distinção que fazemos em termos de retórica, ideologia ou atitude. Acreditamos que tentativas de definir Trump, e outros populistas de direita da mesma classe, como fascistas ou não, não estão abordando o ponto central. A questão não é se Trump e Bolsonaro são individualistas ou coletivistas, ou se empregam demagogia, ou se visam minorias para explicar o declínio do povo, ou volk. De muitas maneiras, tanto Trump como Bolsonaro têm o suficiente destas características para serem definidos como fascistas.


Queremos examinar as condições necessárias para que o fascismo surja plenamente. Apesar de estar em uma época de crise, as condições ainda não foram totalmente preenchidas. A questão da crise é central para este projeto. A explicação de Gramsci sobre a crise, sua teorização da hegemonia e a articulação do fascismo como forma de Bonapartismo-Cesarismo é de imenso valor para nós como pesquisadores, e para a investigação do atual mal-estar político.


Trump e Bolsonaro significam uma época de crise não resolvida onde, em termos gramscianos “…o velho está morrendo e o novo não pode nascer; neste interregno surge uma grande variedade de sintomas mórbidos.” Por enquanto, devemos detalhar as razões pelas quais acreditamos que nem Trump nem Bolsonaro podem ser chamados de fascistas.


Há uma tentação compreensível de usar o rótulo de fascista para qualquer movimento político ou social que usa o racismo e o medo para oprimir os direitos dos trabalhadores e minorias, e que valoriza a “nação” e militariza a sociedade. No entanto, a esquerda deve usar o rótulo de forma judiciosa e com compreensão e memória do que enfrenta para projetar um desafio viável. É com isto em mente, que investimos tempo no exame desta questão.


Definindo o fascismo:


Uma das mais poderosas análises marxistas do fascismo é a de Leon Trotsky. Primeiro, Leon Trotsky em sua formulação do fascismo mostra que nem todo líder de direita ou ditador pode ser classificado como fascista. Trotsky vê os fascistas como o último recurso da classe capitalista. Em sua opinião, as classes dirigentes pedem para proteger a ordem vigente quando “…os recursos policiais e militares ‘normais’ da ditadura burguesa, juntamente com suas telas parlamentares, não são mais suficientes para manter a sociedade em estado de equilíbrio…” que, segundo ele, é o momento em que “…chega a vez do regime fascista” [3]. Antonio Gramsci, cujo trabalho é central para conceituar o caráter dos líderes contemporâneos e explicar sua ascensão ao poder, referiu-se ao fascismo na Itália como uma “…reação capitalista jactanciosa” aos órgãos de classe do proletariado” [4].


A análise de Gramsci sobre o fascismo italiano fornece duas revelações fundamentais. A primeira é que as origens dos fascistas são independentes da classe capitalista. Em vez disso, segundo Gramsci, o fascismo parece ter sido impulsionado pelo medo e antagonismo da pequena burguesia em relação à crescente influência dos movimentos dos trabalhadores. Em segundo lugar, Gramsci afirma que a exploração instrumental do fascismo pelo capitalismo na luta com os movimentos socialistas e proletários está no centro da ascensão dos movimentos da periferia para o centro da política italiana de uma forma que “…reforce o sistema hegemônico e as forças de coerção militar e civil à disposição das classes dirigentes tradicionais[5]. Como Trotsky, e antes dele, Gramsci situa a ascensão do fascismo na crise do capitalismo.


Ao examinar Donald Trump no poder, o acadêmico americano Dylan Riley, escrevendo em New Left Review, compartilha uma posição sobre o fascismo semelhante à proposta por Trotsky e Gramsci. Ele se abstém de se referir a Donald Trump como um fascista porque, apesar de todo o errático direitismo de Trump, não houve suspensão das liberdades burguesas. Também não houve apoio explícito e absoluto do Estado para o direito de atacar violentamente as mobilizações antiestablishment de trabalhadores e outros movimentos revolucionários progressistas [6]. Riley percebe o fascismo como um último recurso das classes dirigentes capitalistas, cansadas de suas constantes lutas contra a agitação das massas vindas de baixo. Essas lutas estão se intensificando, segundo Riley, à medida que a crise de hegemonia se intensifica e pode levar a uma resposta fascista quando as tentativas da classe dominante de reformular a hegemonia fracassam. Retornaremos a Riley quando examinarmos os aspectos Bonapartistas de Donald Trump.


É crucial que nem Trump nem Bolsonaro tenham suspendido a democracia liberal burguesa ou eliminado o Estado de Direito. Embora não haja evidências de que qualquer um desses líderes se posicionaria como um baluarte contra os esforços para destruir a democracia ou o Estado de direito se uma ameaça significativa da esquerda colocasse em perigo sua riqueza e poder e o de seus aliados, isso ainda não aconteceu. Bolsonaro, e o Brasil, é provavelmente mais sensível ao desenvolvimento de um regime com elementos ditatoriais, dado seu histórico e elogios públicos à ditadura militar de direita pró-EUA (1964-85). Entretanto, mesmo a instalação de uma ditadura militar não produziria, por si só, um regime fascista. Não temos aqui espaço para uma análise profunda disto; entretanto, é importante notar que para que o fascismo surja é necessário que outros aspectos do sistema burguês liberal sejam desmantelados, geralmente de forma violenta, incluindo os militares, a polícia e outras instituições encarregadas de proteger os interesses da ordem estabelecida. É também uma exigência do fascismo, segundo Gramsci, que o líder, o partido e o movimento superem o controle de classe no qual se baseou na fase inicial da ascensão ao poder. Isto ainda não aconteceu nem nos EUA com Trump ou no Brasil com Bolsonaro.


A suspensão do atual sistema de governo burguês dependerá da profundidade da crise hegemônica e se esta crise põe em perigo o sistema de forças contra-hegemônicas. Se isto acontecer, então a característica intimidadora do fascismo poderia ser desencadeada com o objetivo de anular os movimentos revolucionários. Elementos desta tática têm sido evidentes na década que se seguiu à GFC (Global Financial Crisis), como os exemplos a seguir demonstrarão.


Nos Estados Unidos, após o GFC e o surgimento dos Movimentos de Ocupação, havia provas de que a classe dominante estava se preparando para um confronto. A criação do Tea Party em 2010 e, desde então, a benevolência contínua da classe dominante em relação aos grupos de direita, de supremacia branca, mostra que a classe dominante tem uma estratégia para lidar com a dissidência em massa dos trabalhadores. Os eventos em Charlottesville em 2017 foram uma mostra de armas e, em si mesmos, provavelmente não um sinal de que a ultradireita é uma grande força na política dos EUA. No entanto, foi a forma como certos segmentos da sociedade americana, especialmente o presidente e membros do Partido Republicano, apresentaram a ultradireita como vítimas iguais da violência antirracista e antifascista ou antifa. Isto marcou a extensão de uma aliança taciturna entre elementos da classe dominante dos EUA e a ultradireita. Nesta era da covid-19, o apoio contínuo à direita alternativa (alt-right) é um sinal de que tal estratégia ainda está em vigor.


No caso do Brasil, os temores da classe dominante em relação aos grupos mais vulneráveis, principalmente os pobres, negros, mulheres e a comunidade LGBTQ se manifestaram em apoio a Bolsonaro, e aos extremistas de direita. A retórica da extrema direita, parte legado colonial e parte influenciada pela agenda anticomunista de direita da Guerra Fria, tornou-se mais pronunciada na esfera pública a partir de junho de 2013, quando uma série de manifestações irrompeu em todo o país. No período que antecedeu as eleições de 2018, as manifestações reforçaram seu caráter ultraconservador, anticorrupção, pró-militarismo e antiestablishment. Os indivíduos de extrema direita e ideologias existem próximos à Presidência e à classe dominante. Os detentores do poder não têm permitido a violência extrajudicial generalizada por grupos de extrema direita para silenciar partidos progressistas e de trabalhadores, nem há provas de que a ordem pública tenha sido suspensa.


A relação entre a Presidência e os elementos fascistas de extrema-direita do exército no Brasil é óbvia. No momento, como no caso de Trump nos Estados Unidos, o Estado de direito e as instituições estatais formais continuam a proteger os interesses das classes dirigentes, evitando a necessidade de formalizar elementos de extrema direita como parte do aparato estatal e de desencadear a violência típica do fascismo. Ao mesmo tempo, existem elementos sistêmicos na democracia burguesa liberal que impedem os movimentos de extrema direita de agir com impunidade. Além disso, especialmente nos Estados Unidos, há um apoio significativo das elites corporativas, especialmente os partidários do Partido Democrata após a derrota da figura contra-hegemônica Bernie Sanders, primeiro em 2016 e novamente em 2020, e a retomada da política normal como as opções corporativas preferidas pela Presidência.


Enquanto algumas dessas forças continuarem a manter um equilíbrio que garanta que os interesses da elite sejam salvaguardados e outras instituições protejam os direitos dos representantes da classe trabalhadora e das minorias, a ordem atual deve estar a salvo de uma tomada de poder fascista. É este equilíbrio que, como escrevemos, significa que nem os EUA nem o Brasil se moveram abertamente em direção à “solução” fascista, mesmo que haja elementos de fascismo, bem como provas de que tanto Trump como Bolsonaro não só têm simpatia por agitadores de extrema-direita, mas aderem a muitas das mesmas ideologias e táticas de movimentos de extrema-direita. Não oferecemos previsões sobre se o fascismo continuará nos Estados Unidos ou no Brasil. Aconteça ou não, o fascismo dependerá do equilíbrio de forças, especialmente da capacidade de união das forças antifascistas, e de eventos que ainda não aconteceram. Por enquanto, o líder carismático permanece ascendente e no próximo artigo exploraremos as condições nas quais o líder carismático emerge.



Notas


[1] Aqui estão alguns exemplos de eminentes estudiosos com quem aprendemos muito, e temos muito a aprender, incluindo Samir Amin https://monthlyreview.org/2014/09/01/the-return-of-fascism-in-contemporary-capitalism/ e William E. Connolly, ‘Trump, theWorkingClass, andFascistRhetoric,’ TheoryandEvent, 20:1, 2017 e Manuel Castells, http://www.tlaxcala-int.org/article.asp?reference=24300 e John Bellamy Foster, Trump in the White House: TragedyandFarce (2017)


[2] Gramsci, Antonio, Selections from the Prison Notebooks: translated and edited by Quintin Hoare (Lawrence and Wishart: London, 1971) p. 276.


[3] Trotsky, Leon, Fascism: What is it and How to Fight It, edited by A. Banerjee and S. Sarkar (Delhi, India: Aakar Books, 2005), p. 18.


[4] Gramsci, Antonio, ‘The Two Fascisms’ in Selections from Political Writings (1921-1926): translated and edited by Quintin Hoare (Lawrence and Wishart: London, 1978), originally published in Ordine Nuovo, 25 August 1921.


[5] Gramsci, Antonio, Selections from the Prison Notebooks: translated and edited by Quintin Hoare (Lawrence and Wishart: London, 1971) p. 120.


[6] Riley, Dylan, ‘American Brumaire’, New Left Review, Jan-Feb, 2019.

8 visualizações

© 2020 - Observatório Da Crise / Fundação Lauro Campos e Marielle Franco

Alameda Barão de Limeira, 1400, Campos Elíseos, São Paulo (SP)