Convergência do terror

A oportunidade fará a exceção se tornar definitivamente regra. O covid 19 cria uma mobilização pertinente a um estado de guerra

Por Marildo Menegat*

Texto publicado originalmente no site da revista METAXY


-I-

Trata-se de uma emergência, embora ela pudesse ser enfrentada numa outra perspectiva. A doença exige cuidados e ampla divulgação das suas causas, e não de soldados e leis marciais. Que sejam os exércitos e as polícias, juntamente com o saber médico que, de todas as disciplinas, talvez seja uma das mais amigáveis ao poder e parceira de longas jornadas adentro das marchas militares, quem organiza e impõe a ordem, não é nenhum acaso. Sempre que uma situação catastrófica é ordenada pela força, é o moderno patriarcado quem está a postos e se recompondo para os próximos passos, mesmo que ele esteja totalmente implicado nas causas da peste. Da China aos EUA, passando pela Europa, as leis marciais que prendem ou multam quem sai da quarentena não têm nada de um exercício da autonomia que tanto orgulhou no passado os defensores do sujeito da modernidade. Albert Camus, num de seus contos, comenta a diferença entre uma solidão escolhida - neste caso, a do isolamento como o melhor meio para preservar a vida – e uma solidão imposta - como alguém que subliminarmente avisa que possui um poder de morte sobre todos.

A princípio, as leis marcias visam salvar vidas, porém, a razão de fundo destas imposições é preservar as melhores condições de restabelecimento e continuidade do mecanismo de acumulação de capital [1]. Portanto, não são as vidas que importam Esse mesmo sistema, que agora se enternece por instantes, poucas horas atrás dava prosseguimento a sua política de desmonte total dos sistemas públicos de saúde. As massas de miseráveis supérfluos que o capitalismo produz já há muito sabem que, para ele, as suas vidas não valem nada e, agora, se merecem algum cuidado, é para que seus corpos famélicos não sirvam de propagador do vírus. A sociedade burguesa não se constitui para realizar qualquer finalidade mais elevada da condição humana, antes, a condição em que esta sociedade dispõe dos seres humanos é totalmente voltada às necessidades do dinheiro e sua dominação impessoal. A mobilização e elevação da ansiedade à totalidade social, como um meio de ação que passa de um estado nervoso a outro, sem nunca se efetivar como reflexão, cumpre justamente a função que outrora foi da ideologia, de preservar o sistema do caos que as mortes em grande escala produziriam, através da vigilância induzida por dispositivos de inteligência artificial. Entre a cegueira do vírus, que é um agente da natureza, e a cegueira do sistema produtor de mercadorias se produziu uma convergência para a qual todo terror será legitimo.

O bate boca entre defensores da quarentena horizontal, promulgada por leis de exceção, e os defensores da quarentena vertical, em que a peste é entregue ao deus-dará, são faces diferentes de uma mesma moeda. O esforço de dar uma aura humana à decisão impositiva da quarentena não esconde sua hipocrisia: os mesmos italianos, espanhóis, franceses etc. que agora defendem estas medidas, semanas atrás não titubeavam em mandar de volta barcos abarrotados de africanos que fugiam, justamente, da morte. Quem defende, por outro lado, a volta imediata à produção (mesmo que por hora calem, é bom lembrar que eles existem e são muitos) está pensando que o cenário de guerra que vai se formar, com milhões de mortos em todo o mundo, é um preço razoável a ser pago em sacrifícios para que o capitalismo não desmorone de vez. As informações que os infernizam não são os números de mortos, mas os dados quentes do mercado ainda do ano que passou (2019), portanto, anterior a peste do covid 19. A tendência a uma recessão global era tão óbvia, que até o gerente do posto Ipiranga percebeu. Não é de agora que a economia da China apresenta fadigas cada vez maiores e intransponíveis. O grau de endividamento do Estado e boa parte das grandes empresas não tem mais como serem financiados pela jogatina especulativa de bolhas. Esta mesma realidade tira o chão da Europa e dos EUA – e do resto do mundo, por consequência. A dívida pública de todos Estados anda na casa dos U$ 280 trilhões [2], num mundo em que o PIB anual não passa de U$ 80 trilhões... Todos vivem acima dos seus recursos. A questão é que era a China e as dívidas de todos que carregava nas costas a moribunda economia mundial, principalmente depois da crise de 2008.

Os pacotes da Comunidade Econômica Europeia e dos EUA nesse contexto são essencialmente para salvar os mercados quando 'a bolha das bolhas' (que se formou logo depois da crise de 2008) estourar – é este também o acontecimento que os especialistas de plantão têm chamado de recessão. Na margem dessa economia de guerra (por enquanto, ao que parece, apenas o vírus é o inimigo) a pobreza tem crescido e continuará crescendo vertiginosamente e o desemprego, que ganhou no período recente contornos de emprego precário, voltará em sua velha forma de uma massa de sujeitos monetários-sem dinheiro. Mesmo o adoecimento das pessoas, independente da ação do covid 19, tem girado em torno de cifras alarmantes. O consumo de ansiolíticos [3], por exemplo, no Brasil, atinge a maior marca da América Latina. A vida já estava doente antes da chegada do vírus. O covid 19 é apenas o contraste que permite compreender que o capitalismo não tem mais nada a oferecer à humanidade.

-II-

O dilema é que por mais equilibrismo que os Bancos Centrais e os governos façam, a crise está no ar e ela não é o covid 19. As mudanças climáticas em breve produzirão situações piores que a atual [4]. Contudo, a mudança do clima, ao contrário do vírus, não pode mais voltar ao normal – mas poderia ser mitigada se houvesse uma mudança radical no modo de produção da vida social [5]. Na sua esteira virão novas pandemias, mais letais do que o covid 19. Segundo especialistas, um Ebola evoluído, que seja possível sua transmissão pelas vias respiratórias [6], seria o 'quase' fim da humanidade. A letalidade desse vírus chega a 90% dos infectados. Como as mudanças climáticas exigem uma luta pela seleção natural em novos patamares, é previsível que muitos parasitas passem por mutações que os tornem mais agressivos. Além disso, é claro, há os fatores da intervenção humana que modificaram ou produziram artificialmente agentes patogênicos – como foi o caso do H1N1 e suas mutações – que mal temos notícias de suas existências [7].

Era um conhecimento de alguns povos do passado - possivelmente sábios, pois não temos notícias de que tenham vivido apertos como o atual, e este era o caso, até onde se sabe, dos indígenas que viveram na Amazônia antes da chegada do 'homem da mercadoria' -, que ninguém devia consumir a natureza mais do que lhe era essencial para continuar existindo no pleno desenvolvimento de suas capacidades e, além disso, devia legar estas condições de existência para o futuro das novas gerações. O capitalismo, no entanto, já gastou o planeta de tal forma que as futuras gerações terão que viver em condições de penúria. Essa penúria nada tem a ver com a riqueza abstrata produzida no capitalismo, mas com coisas triviais para a vida, como ar puro, água e alimentos não originados de organismos geneticamente modificados.

O problema posto, portanto, não é voltar já ao trabalho infernal ou permanecer trancafiados numa quarentena imposta por um estado de exceção. O debate é o que faremos das nossas vidas nesse fim de linha do capitalismo? Elas serão ainda oferecidas em sacrifícios para o absurdo fim de produzir mais destruição, ou serão mobilizadas para transformar as formas de vida social?

-III-

No passado, quando seus contemporâneos viviam nele o presente, algo também do futuro estava sendo preparado. A semeadura do porvir sempre dependeu de um presente que tinha mais recursos do que os necessários para simplesmente estar acontecendo. O futuro não é um resultado de uma mera ocorrência, mesmo que sempre estivesse em aberto. Isso, no entanto, acontecia quando era possível escolher inflexões diferentes da forma social. Hoje o presente é tão somente o apagar das luzes que o separava do futuro. Transformou-se numa época em que, por excessivamente ocupada consigo mesma, viu o futuro desaparecer como estrutura do tempo. Como ele não atua mais nas relações e ações sociais, os indivíduos foram surpreendidos por essa noite espessa que revelou o impensável: sem uma promessa de amanhã a humanidade se afundará totalmente no vazio. A depressão não será apenas um fenômeno econômico. Não será um grande achado descobrir que o capitalismo é uma sociedade niilista. Nele a existência de qualquer pessoa somente ganha seu sentido elementar a partir da sua submissão ao fetichismo das mercadorias, do dinheiro e do gasto de energia na irracionalidade destrutiva da economia empresarial. Mas as condições objetivas que faziam este sentido miserável de sobrevivência ainda funcionar estão sendo impiedosamente solapadas pela catástrofe atual.

Desde a grande crise dos anos 1970, quando o capital chegou ao seu limite interno absoluto, como o formulou Robert Kurz na sua teoria da crise [8], o prolongamento do prazo de validade desta sociedade se deu às expensas do futuro. O neoliberalismo e o domínio da acumulação fictícia de capital por meio da engenharia especulativa dos mercados financeiros, não foram outra coisa do que este exercício de transferir para o futuro a conta de um presente que já não cabia na valorização do valor. Em outras palavras, a medida da moderna sociedade produtora de mercadorias, que é o tempo de trabalho, foi suprimida pelo próprio desenvolvimento tecnológico dessa sociedade. O presente insano que desse processo emerge – e trata-se literalmente de uma emergência –, paralisou a humanidade em meio à aceleração da destruição da natureza e da sua autodestruição. Como cada mercadoria individual contém menos valor, pois é o resultado da produção realizada por um aparato técnico que já não usa, ou usa apenas marginalmente trabalho vivo, que é a única fonte de produção real de mais-valor, é necessário produzir em quantidades gigantescas para simular a criação de algum valor. Essa é uma das razões da convergência entre crise do capitalismo e o colapso ambiental, pois se inverteu a proporção entre a quantidade de valor e a de matéria prima usada na sua criação, sem que com isso o limite interno absoluto da acumulação de capital fosse superado. Esta proporção pressupõe agora grandes quantidades de matéria-prima, cujo resultado é a ampliação da extração destrutiva de recursos naturais, para resultados ínfimos em termos de produção de riqueza abstrata. O fato de que a riqueza no capitalismo obedece a um princípio abstrato (o valor) em que a matéria é apenas o meio (o valor de uso) para a sua produção, e a realização desse princípio (o consumo) é a destruição dessa matéria o mais rápido possível, para que o ciclo volte ao ponto de partida e se repita ad infinitum, torna possível o paradoxo de uma sociedade rica, nos termos abstratos da acumulação de capital, sem que com isso ela tenha os recursos para realizar suas necessidades, assim como a perspectiva de desenvolver as capacidades humanas.

Porém, nenhuma das fugas para frente postas em campo pelo neoliberalismo nas últimas décadas resolveu efetivamente a crise do capital. Como a vida social é mediada por dinheiro e mercadorias, para que esta objetivação pudesse funcionar, seria necessário que a substância do valor, que é o quantum de tempo de trabalho presente em cada mercadoria, ainda pudesse ser criada. Como Marx havia observado nos Grundrisse, o capitalismo é processo social autocontraditório que produz inconscientemente o seu próprio colapso. O uso intensivo de técnicas produtivas poupadoras de trabalho humano torna a objetivação do valor impossível e, portanto, suprime o mecanismo funcional da mediação social. Depois do covid 19, será este o verdadeiro monstro - junto com as catástrofes da mudança climática - que assombrará cotidianamente a vida de todos. Não é mais possível viver às expensas do futuro. O tempo histórico-social máximo a que o capitalismo pode chegar é este presente estendido da aceleração da sua autodestruição.

-IV-

Longe do relicário ideológico da paz universal, a partir dos anos 1980, quando a Guerra Fria esfriou, o capitalismo, essa máquina de triturar seres humanos, entregou-se a novas formas de guerras. A genealogia desses acontecimentos, que se tornaram frequentes, remete à grande guerra de 1914, que inaugurou uma relação íntima e inescapável entre guerra e economia. A bem da verdade, a guerra está na origem desta esfera abstrata de cálculo que é a economia empresarial. Foi o uso de armas de fogo que botou abaixo as antigas relações feudais e criaram uma forma política centrada na competição e dependente do dinheiro, que é o Estado Moderno. Para isso, todas as sociedades nacionais que se formaram seguiram esses imperativos. Fazer guerras é semear o capitalismo. Mas foi com a Iª Guerra Mundial que o capitalismo tornou-se definitivamente uma economia de guerra.

O moderno patriarcado produtor de mercadorias é essa figura selvagem em que se misturam o cão de guerra com o empresário destruidor-criador schumpeteriano. O negócio, portanto, é um só e tudo deve ser moldado para passar pelo crivo dessa síntese: criar é destruir (o mundo); destruir é criar (mais mortes). Tal figura do espírito é a própria verdade da sociedade burguesa, por isso, ela se parece racional e goza da realização suprema de um princípio de realidade que comporta o horror como um pendor da sua natureza. Sem a economia de guerra o capital fictício, já abundante naquela fase do capitalismo, teria sufocado a continuidade do sistema. Uma das suas façanhas foi mobilizar as reservas de poupança e crédito, então dormentes, resultantes de um processo de superacumulação que cada vez mais tinha dificuldades de encontrar investimentos rentáveis, para grandes empreendimentos estatais:

“[As potências em guerra] Tentaram (…) cobrir seus déficits solicitando empréstimos no próprio país e no exterior e, fora isso, (…) emitiram papel-moeda sempre que receberam créditos do banco central sem garantias subsidiárias. Nenhum banco central conservou muita independência na situação de guerra (…). Em 1914 o padrão ouro nacional foi suspenso em todos os países beligerantes; a moeda deixou de ser conversível [em ouro] sempre que alguém o desejava, ou deixou de ser necessário uma mínima proporção de ouro para respaldar a emissão de papel-moeda. Uma vez limpo o terreno, os governos puderam obter uma quantidade ilimitada de dinheiro em efetivos em seus bancos centrais em troca de passivos de curto prazo, tais como promissórias do tesouro, reembolsáveis em três ou seis meses. (…) A consequência foi um incremento massivo do fluxo de dinheiro, que foi se acelerando à medida que avançava a guerra (...). (…) A capacidade de conseguir empréstimos que demonstraram os estados [beligerantes] constitui um dos fenômenos chaves da guerra (...)” (STEVENSON, D. p. 314-5).

Este modelo de organização da economia abriu as comportas das dívidas estatais e fez delas uma espécie de perspectivismo (e escoadouro de um excesso de capital a beira da desvalorização) que, como todo vício burguês, foi transformado em virtude pelo keynesianismo. Foi esse modelo de economia que tornou o fordismo possível. Sem a escala gigantesca das dívidas, em que os gastos de guerra foram pródigos e, ao mesmo tempo, desbravadores de um território até então incólume, a infraestrutura tanto produtiva como financeira do fordismo, que exigia uma intervenção estatal direta, jamais teria sido viável.

“O êxito da França oferece algumas analogias com a União Soviética em 1941-45: regiões ilhadas até então como as do sudoeste entraram no setor de produção militar.” (STEVENSON, D. p.324). “Os empréstimos estatais (…) e os subsídios ajudaram a reconversão, por exemplo, dos futuros gigantes da indústria automobilística Citroën e Renault, fabricantes respectivamente de munições e tanques.” (STEVENSON, D. p. 325).

A partir desse ponto, o Estado assumiu uma centralidade no planejamento e direcionamento econômico que era desconhecida no capitalismo clássico do séc. XIX. Estas características se mantiveram e se integraram aos tempos de paz. A relativa abundância dos chamados 30 anos gloriosos após 1945 foi, portanto, um produto direto da engenharia financeiro-produtiva da economia de guerra. Um dos sentidos ocultos da Guerra Fria foi justamente a continuidade (e crescimento) das dívidas públicas. Esses gastos podiam ser direcionados tanto para o bem estar social, como para a continuidade dos gastos de guerra – a economia americana, por exemplo, se manteve uma economia mobilizada para a guerra, em que pese o fim desta. Seu imponente complexo industrial-militar, por estas razões, não foi desmontado. O fim da Guerra Fria em 1989 é parte do colapso da possibilidade de continuar organizando a economia dessa forma. Num período em que o lucro caia a níveis que tornava duvidoso o retorno de novos investimentos, em que a economia beirava à estagnação com inflação, a expansão das dívidas passou a ser um problema de primeira ordem. Não foi por outro motivo que as políticas keynesianas chegaram ao seu esgotamento nesse momento.

Nas décadas posteriores, o colapso da modernização foi empurrado para debaixo do tapete. Para simular o realismo da emissão contábil de dinheiro sem valor, que após o fim do Acordo de Breton-Woods (1971) tomou conta das atividades dos Bancos Centrais dos EUA e da Europa [9], foi necessário organizar a acumulação de capital a partir do sistema financeiro, e não mais da produção. O keynesianismo ainda pôde dispor do capital fictício para o financiamento da produção, mas com o neoliberalismo esta lógica precisou se inverter para retardar a ruina iminente do sistema. Foi esse mecanismo da financeirização que herdou a dinâmica da economia de guerra, agora sem nenhum tipo de guerra regular pela frente. Esta contradição de uma economia de guerra funcionar sem guerras generalizadas, como foram a Iª e a IIª GM e, de certo modo, a Guerra Fria, indica o limite a que o sistema chegou e o perigo da fantasmagoria ideológica do estado de guerra e exceção que se instaura no presente.

-V-

Assim que a pandemia exigiu as quarentenas na forma de leis de exceção, a compreensão de que se estava diante de uma crise sem precedentes bateu o pino. As projeções para a economia são de perdas exorbitantes do PIB mundial [10]. Frente à catástrofe que se abateu, economistas que defendiam como um princípio inegociável cortar gastos, mudaram de armas e defendem agora, com uma convicção de verdadeiros keynesianos, a volta ao passado de uma economia de guerra sem restrições orçamentárias [11]. Mas no que consiste uma economia de guerra contra um vírus? Dois aspectos que todos eles repetem: aumentar os gastos públicos e redirecionar a produção industrial. Contudo, não era exatamente esse o pecado mortal da economia de guerra mantida depois da Iª e IIª GM na forma de um estado de bem-estar social? O lulopetismo não foi derrubado por causa disso? A inconsistência da proposta é fácil de ser percebida. Até o gerente do posto Ipiranga pode entender. Difícil é justificar que o aumento de gastos para sustentar, em tempos de paz, um sistema público de saúde e educação, é inflacionário e leva a insolvência do Estado; e agora (quem vai pedalar?), diante da guerra contra o vírus (?), o aumento dos gastos se torna a salvação da pátria! Subtraindo o engodo ideológico do argumento, o resto da equação será duro de engolir: como dívidas que já chegam a três vezes mais do que o valor do PIB mundial poderão ser sustentadas com esses novos acréscimos? Só Trump já fala em gastar 'uns quatro trilhões' de dólares para salvar a economia, num país em que a dívida chega a U$ 16 trilhões, ou seja, aproximadamente 120% do PIB. A questão toda não são as fantasmagorias ideológicas do raciocínio das personificações do capital. Se bem observado, o resto mesmo dessas equações insustentáveis é um estado de exceção, que impôs a quarentena, e uma economia de guerra sem guerra a beira da maior depressão desde 1929. No limite, talvez tudo isso aponte para o quanto a autodestruição está engatada no capitalismo como uma compulsão cega e pronta a ser detonada – inclusive na forma de bombas nucleares [12]. Quando todas as luzes se apagam, aos ideólogos do sistema (incluído os da esquerda tradicional) não cabe outra saída do que a volta ao passado. Era um lugar comum do neoliberalismo exorcizar este passado como um tempo responsável pelos sacrifícios do presente. Como esperar que este 'crime de responsabilidade' vá agora nos devolver o futuro que se apagou?

A luz artificial do capitalismo nada mais ilumina. Estamos sem futuro. Não é um mistério que isso ocorra numa mistura de catástrofe da natureza (o corona vírus é um resultado da globalização da economia sob o signo da destruição cega da natureza) e o fim de linha depressivo da economia de guerra. Todo esforço de voltar ao normal, com as fanfarras de uma nova rodada de economia de guerra à frente, custará mais vidas e será um esforço em vão. Melhor seria gastar essa energia e empenho para entender como o moderno sistema produtor de mercadorias chegou ao seu colapso. Essa compreensão pode agora ser facilmente constatada fenomenicamente por meio das catástrofes do presente. Mas o segredo oculto desses acontecimentos está na lógica apriorística que organiza a vida social sob o imperativo de transformar a qualquer custo dinheiro em mais dinheiro. Entender isso é uma condição para se produzir uma resistência contra as duas faces da moeda que disputam levar a sociedade em direção ao abismo. Ambas querem manter aceso o breu da noite. Ambas precisam, para isso, organizar o extermínio – que é em si mesmo um impulso permanente e espontâneo do sistema –, elevando-o a um gigantesco genocídio, que, aliás, já está em curso. O assassinato em massa é parte do caráter do capitalismo, seu vínculo intimo e inescapável com a guerra. Os assassinatos de milhares de negros, índios, mulheres, além do confinamento em campos de concentração de milhões de refugiados e imigrantes se manterão firmes juntamente com a eliminação de velhos inúteis para a economia empresarial. Esta é a guerra que de fato todos estão de olho. As novas modalidades de guerra desenvolvidas pelo capitalismo após o fim da Guerra Fria são guerras irregulares voltadas contra a grande massa de perdedores da globalização. O dispositivo que torna esses acontecimentos realidades distantes é o estado de exceção. Ele é uma ordem que opera com o falso raciocínio de que o exterminado de hoje não é você amanhã. A impessoalidade da lógica sustenta o equivoco da conclusão. Mas a lei que estraçalha essas vidas nada tem de subjetiva. Ela não é um totalitarismo que emana do ordenamento político, mas uma objetivação da economia empresarial que é confirmada pelo Estado: quem não é rentável para o sistema deve morrer.

A vida e o futuro da humanidade não são compatíveis com o capitalismo. Este é o dado desta crise: como nada será como antes, e não existe um futuro a espera de todos, por que devemos permanecer o mesmo?



*Marildo Menegat é professor Associado do Programa de Pós-graduação em Políticas Públicas de Direitos Humanos da Universidade Federal do Rio de Janeiro.



Bibliografia e notas

STEVENSON, D. 1914-1917 História da Primeira Guerra Mundial. Barcelona: Debolsillo-Penguin Editorial, 2015.

KURZ, R. Dinheiro sem valor. Lisboa: Antígona, 2014.

WALLACE-WELLS, D. A terra inabitável: uma história do futuro. São Paulo: Cia das Letras, 2019.

[1] Cf. Sergio Firpo “Por que salvar vidas ou a economia na crise do coronavírus é um falso dilema”.

https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2020/03/por-que-salvar-vidas-ou-a-economia-na-crise-do-coronavirus-e-um-falso-dilema.shtml (Acesso 03 Abr 2020)

[2] Cf. Chris Hedges, “Assim arma-se a próxima crise”. https://outraspalavras.net/mercadovsdemocracia/as sim-comecara-a-proxima-crise-financeira/ (Acesso 1 Abr 2020)

[3] Cf. “Brasil é o país mais ansioso do mundo, segundo a OMS”.

https://noticias.r7.com/saude/brasil-e-o-pais-mais-ansioso-do-mundo-segundo-a-oms-05062019 (Acesso 1 Abr 2020)

[4] Cf. Wallace-Wells, D. A terra inabitável: uma história do futuro. São Paulo: Cia das Letras, 2019.

[5] Cf. “Qualidade do ar na China melhora devido ao covid 19, segundo OMS”. https://agenciabrasil.ebc.com.br/internacional/noticia/2020-03/qualidade-do-ar-na-china-melhora-devido-ao-covid-19-afirma-onu (Acesso 2 Abr 2020); e “Sem turistas e barcos, coloração da água dos canais de Veneza fica mais clara e nítida” https://g1.globo.com/turismo-e-viagem/noticia/2020/03/18/sem-turistas-e-barcos-coloracao-da-agua-dos-canais-de-veneza-fica-mais-clara-e-nitida.ghtml (Acesso 2 Abr 2020).

[6] Cf. “Ebola pode sofrer mutação e se espalhar pelo ar, diz ONU”; https://exame.abril.com.br/tecnologia/ebola-pode-sofrer-mutacao-e-se-espalhar-pelo-ar-diz-onu/ (Acesso 2 Abr 2020).

[7] Cf. DAVIS, M. “O capitalismo e a gripe suína”, in: Margem Esquerda – ensaios marxistas; nº 14. São Paulo: Boitempo, 2010, pp. 43-47.

[8] Cf. KURZ, R. Dinheiro sem valor. Lisboa: Antígona, 2014.

[9] O fim da conversibilidade do dólar em ouro criou condições muito semelhantes ao que já havia ocorrido na Iª GM, com o afundamento da Libra inglesa, levando diversos países beligerantes à hiperinflação (Cf. STEVENSON, p. 315). No caso mais recente, no entanto, com a financeirização, o fim da conversibilidade serviu para retardar a desvalorização do dinheiro e das mercadorias.

[10] “Covid-19 trará 'recessão muito pior' do que crise de 2009, diz chefe do FMI”. https://economia.uol.com.br/noticias/reuters/2020/04/03/desaceleracao-global-por-coronavirus-sera-muito-pior-do-que-crise-financeira-diz-fmi.htm

[11] Este é o caso, dentre muitos outros, de: Samuel Pessoa, “Estamos em uma economia de guerra” https://www1.folha.uol.com.br/colunas/samuelpessoa/2020/03/estamos-em-uma-economia-de-guerra.shtml (Acesso 22 Mar 2020); Vinicius Torres Freire, “Economia de guerra contra o corona” https://www1.folha.uol.com.br/colunas/viniciustorres/2020/03/economia-de-guerra-contra-o-corona.shtml (Acesso 20 Mar 2020); e de José Roberto Afonso, “Entrevista: “Brasil tem que estruturar economia de guerra durante crise do coronavírus, defende economista” https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2020/04/brasil-tem-que-estruturar-economia-de-guerra-durante-crise-do-coronavirus-defende-economista.shtml (Acesso 2 Abr 2020).

[12] CF. Igor Gielow, “Diplomata vê mundo com maior risco de conflito nuclear”.

https://www1.folha.uol.com.br/mundo/2020/03/diplomata-ve-mundo-com-maior-risco-de-conflito-nuclear.shtml (Acesso 8 Mar 2020).

24 visualizações

© 2020 - Observatório Da Crise / Fundação Lauro Campos e Marielle Franco

Alameda Barão de Limeira, 1400, Campos Elíseos, São Paulo (SP)