Consórcio de generais atua para reestruturar o Estado, diz antropólogo

Governo Bolsonaro é fruto de projeto de poder de grupo em volta de “partido militar”, diz Piero Leirner

Por Lucas Mendes*

Texto originalmente publicado no site Poder360


Pesquisador do universo militar brasileiro há quase 30 anos, o antropólogo Piero Leirner vê o governo do presidente Jair Bolsonaro como fruto da atuação estratégica e paralela de um grupo restrito de oficiais. Uma espécie de consórcio de generais, que envolve militares da reserva e os que passaram pelo Alto Comando das Forças Armadas nos últimos anos, estaria organizando uma reestruturação do Estado a partir da ocupação de espaços na máquina pública.


O projeto de poder, como ele define, abrange uma ação coordenada e de longo prazo no sistema político, tocada de forma com que os responsáveis não sejam percebidos como tais. “É como se fosse uma ‘Pentágono à brasileira’. Uma estrutura de poder infiltrada em espaços do Estado, não só do Executivo, que tem o controle dos fluxos políticos e de capital que estão envolvidos na gerência da máquina estatal”, afirmou.


Doutor em Antropologia Social pela USP (Universidade de São Paulo) e professor titular da UFSCar (Universidade Federal de São Carlos), Leirner lançou em 2020 o livro “O Brasil no espectro de uma guerra híbrida: militares, operações psicológicas e política em uma perspectiva etnográfica”. Concedeu entrevista ao Poder360 na 3ª feira (5.out.2021).


Assista à entrevista (47min43s):

A presença de militares em posições civis do Estado é vista pelo pesquisador como uma ferramenta para consolidar o projeto de poder na tropa, e vai além da obtenção de cargos e vantagens financeiras. “É muito mais profundo”, disse.


Levantamento do TCU (Tribunal de Contas da União) de julho de 2020 mostrou que haviam 6.157 militares no governo. Apuração do Poder360 no mesmo período mostrou que 8.450 oficiais e praças aposentados das Forças Armadas trabalhavam em ministérios, comandos e tribunais militares, contratados por uma modalidade chamada “tarefa por tempo certo”.


“Esses cargos são feitos para consolidar uma estrutura de galvanização e convencimento da própria rede de oficiais militares em torno de um projeto que de certa maneira foi estabelecido por um grupo restrito de oficiais”, afirmou Leirner.


PARTIDO MILITAR


A alegoria que o antropólogo utiliza é a de uma “central de comando e controle”, uma espécie de “Partido Militar” operando sob uma “lógica de guerra”. Segundo Leirner, a organização desse grupo está atualmente no GSI (Gabinete de Segurança Institucional).


Também fariam parte militares que passaram pela Minustah (Missão das Nações Unidas para Estabilização do Haiti), oficiais que atuaram na Amazônia, em Forças Especiais, e no CCOMSEx (Centro de Comunicação Social do Exército).


Bolsonaro teria sido escolhido para encampar o projeto militar, cumprindo o papel de um “incendiário”. “O interesse é todo desse grupo em fazer ele [Bolsonaro] ser o mais descontrolado possível. Porque eles próprios [militares] vão engendrar uma solução para resolver o problema que eles criaram”, afirmou.


Segundo o pesquisador, exemplo dessa estratégia é a criação de uma ideia “fantasiosa” de que o governo Bolsonaro seria dividido em uma ala ideológica e outra ala racional militar.


“Esse processo foi pensado para assumir essa dinâmica, de ter um agente catalisador de um conflito de um lado, para o outro aparecer como quem vai contrabalancear isso. Esse outro lado não é só das Forças Armadas. Pode colocar o Judiciário nessa conta também”.


Outro exemplo da dinâmica, segundo Leirner, é o movimento em volta da candidatura do general da reserva Santos Cruz à Presidência da República em 2022, que “emula” uma falsa oposição ao governo.


REBELIÕES


Para o pesquisador, uma das razões que explicam esse movimento é a imagem que os militares têm de que o Brasil não contaria com “elites competentes para tocar um projeto nacional”.


A missão de organizar uma vanguarda para levar adiante um projeto de Estado teria passado por uma reformulação com o fim da Ditadura Militar (1964-1985). “A ditadura foi muito custosa, e eles pensaram em tocar isso como agentes secundários”.


A missão de organizar uma vanguarda para levar adiante um projeto de Estado teria passado por uma reformulação com o fim da Ditadura Militar (1964-1985). “A ditadura foi muito custosa, e eles pensaram em tocar isso como agentes secundários”.


Parte desses momentos teriam sido protagonizados pelo Judiciário, em especial com a operação Lava Jato, que contribuiu para causar um clima de “guerra generalizada” na sociedade e de enfraquecimento das instituições.


Os marcos iniciais desse processo passaram por “pequenas rebeliões militares”, como define o pesquisador, no final da década de 1990 e início dos anos 2000, em relação à demarcação das terras indígenas Raposa Serra do Sol e Yanomami, em Roraima.


O território amazônico, segundo Leirner, é encarado como um “enclave militar”, e passou a ser alvo de preocupação do grupo, além de elemento central para delinear a identidade das Forças Armadas.


“Ao longo de 2008, o general Augusto Heleno lançou um padrão de rebelião contra o governo, que vai se estender para vários generais”, afirmou.


A criação da CNV (Comissão Nacional da Verdade), no 1º ano do governo Dilma Rousseff (PT), em 2011, foi o gatilho para generalizar um descontentamento da tropa com o governo federal.


O colegiado teve o objetivo de apurar violações de Direitos Humanos ocorridas no país entre 1946 e 1988, período que abarca toda a Ditadura Militar. O relatório final, apresentado em 2014, apontou 377 agentes do Estado responsáveis por crimes contra 434 pessoas mortas ou desaparecidas.


“Depois da CNV, você tem uma quantidade gigantesca de generais assinando cartas contra o governo, de modo que esse negócio foi se escancarando”. Um dos pontos altos dessa empreitada foi a presença do então deputado Jair Bolsonaro para fazer campanha política na Aman (Academia Militar das Agulhas Negras), em 2014. “Isso só ocorre com o consentimento da cadeia de comando, do Comandante do Exército. Isso é tudo planejado. Você não entra na Aman e faz o que bem entende”.


“Isso é 50 vezes pior do que o general [Eduardo] Pazuello subir num palanque de motociata”, declarou.


COMUNICAÇÃO


Para o pesquisador, um dos eixos de atuação da central de comando militar se dá no campo da comunicação. O fato de ser um grupo coeso facilitaria o trabalho de manipulação da opinião pública, a partir de informações contraditórias que são repassadas à imprensa.


“Nesse jogo de contradições, fica todo mundo paralisado. A imprensa está atuando de maneira muito pouco crítica com as informações que estão sendo jogadas. É preciso colocar em suspensão essas informações”, declarou.


A centralidade da comunicação está descrita em documentos do Exército. A 2ª edição do Manual de Campanha sobre Operações de Informação, de 2019, considera a opinião pública como um dos “centros de gravidade” a ser conquistado com emprego da Força Terrestre, a depender da importância que se atribua ao tema, e sua relação com a formação da narrativa dominante. Leia a íntegra do manual (991 KB).


“Nesse contexto, a percepção que a população tem da realidade é de suma importância. Controlar a ‘narrativa’ é não apenas comunicar bem, mas comunicar primeiro e com mais e melhores informações”, diz um trecho do manual, que segue: “a prioridade atribuída aos assuntos de defesa é definida a partir da percepção da sociedade sobre as ameaças concretas e potenciais”. Segundo o documento, perder o controle da narrativa pode levar a “sérias restrições” à liberdade de ação.


Para Leirner, um dos projetos do general Eduardo Villas Bôas ao assumir o Comando do Exército, em 2015, foi potencializar as operações de comunicação social.


Durante a gestão do general Rêgo Barros à frente do CCOMSEx, de 2014 a 2019, o Exército criou perfis nas redes sociais. Segundo Barros, foi uma iniciativa para “mergulhar de cabeça no ‘submundo’ das mídias sociais” para fazer da Força “o órgão público com maior influência no mundo digital no Brasil”.


“É preciso entender que raios de influência foi essa que o Exército fez em 2018 nas redes sociais”, questiona o pesquisador, em referência ao ano em que o ex-presidente Michel Temer (MDB) decretou intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro, comandada pelo general Walter Braga Netto, atual ministro da Defesa e ex-ministro-chefe da Casa Civil, ambos do governo Bolsonaro. Rêgo Barros foi o militar o que ficou por mais tempo à frente do CCOMSEx. Deixou o cargo para se tornar o porta-voz da Presidência, em janeiro de 2019. No lugar, assumiu o general Richard Fernandez Nunes, secretário de Segurança do Rio de Janeiro durante a intervenção.



*Lucas Mendes é jornalista pela Unesp (Universidade Estadual Paulista). É co-fundador do Jornal Dois em Bauru-SP. Foi assessor de imprensa do Sindicato dos Agentes Penitenciários de SP. Já colaborou em Ponte Jornalismo, Brasil de Fato e Justificando. Experiência em reportagem audiovisual. No Poder360, é redator.

33 visualizações0 comentário