A Inteligência Artificial (IA) da economia freelancer está vindo atrás de você

A indústria de IA funciona com o trabalho invisível de humanos em condições isoladas e geralmente terríveis – e o modelo está se espalhando para mais e mais empresas.

Por MIT Technology Review

Texto publicado originalmente no site MIT Technology Review


No fim de maio de 2019, o Guardian publicou um artigo sobre a realidade da produção do Google Assistant. Por trás da “mágica” de sua capacidade de interpretar 26 idiomas está uma enorme equipe de linguistas, trabalhando como subcontratados, que devem rotular tediosamente os dados de treinamento para que funcione. Eles ganham baixos salários e são rotineiramente forçados a trabalhar horas extras não remuneradas. Suas questões com as condições de trabalho foram repetidamente anuladas.


É apenas uma história entre dezenas que começaram a revelar a verdade sobre como funciona a indústria de inteligência artificial. Os trabalhadores humanos não rotulam apenas os dados que fazem a IA funcionar. Às vezes, os trabalhadores humanos são a inteligência artificial. Por trás da IA ​​de moderação de conteúdo do Facebook estão milhares de moderadores de conteúdo; por trás do Amazon Alexa está uma equipe global de transcritores; e por trás do Google Duplex às vezes há telefonistas muito humanos que imitam a IA que imita humanos. A inteligência artificial não funciona com um pozinho mágico. Ela funciona por meio de trabalhadores invisíveis que treinam algoritmos incansavelmente até que eles automatizem seus próprios trabalhos.


Em seu novo livro Ghost Work: How to Stop Silicon Valley from Building a Global Underclass, a antropóloga Mary Gray e o cientista da computação Siddharth Suri argumentam que você e eu podemos ser os próximos.


Conversei com Gray para discutir por que as pessoas recorrem ao trabalho fantasma, como sua invisibilidade as deixa mais vulneráveis ​​a condições de trabalho terríveis e como podemos tornar esta nova forma de trabalho mais sustentável.


A entrevista a seguir foi editada por questões de comprimento e clareza.


MIT Technology Review: Como você define o trabalho fantasma?


Mary Gray: É qualquer trabalho que poderia ser – pelo menos em parte – obtido, agendado, gerenciado, enviado e construído por meio de uma interface de programação de aplicativo, a Internet e talvez um pouco de inteligência artificial. Pode-se argumentar que se torna um trabalho fantasma quando a proposta é que não há humanos envolvidos nesse circuito, que é apenas uma questão de um software fazer sua mágica.


Portanto, a definição realmente depende de como o produto ou serviço final é comercializado.


É. O trabalho, ou o resultado, em si não são inerentemente ruins ou bons. São especificamente as condições de trabalho que os tornam bons ou ruins. Fornecer um serviço como os que descrevemos no livro, legendar uma tradução ou a rotulação de dados de treinamento para treinar algoritmos – esse trabalho é geralmente considerado um trabalho enfadonho e rotineiro. Pense na moderação de conteúdo agora e em como isso é sensacionalizado como algo horrível e terrível de se fazer. Do ponto de vista dos trabalhadores, é um trabalho. E é um trabalho que exige um pouco de criatividade, percepção e julgamento. O problema é que as condições de trabalho não reconhecem a importância da pessoa nesse processo. Diminui seu trabalho e realmente cria condições insustentáveis.


As empresas têm uma longa história de exploração de mão de obra de comunidades menos privilegiadas. Você menciona o exemplo da indústria da moda em seu livro. Existe algo particularmente distinto sobre o trabalho fantasma que cria ainda mais motivos de preocupação?


De certa forma, o trabalho fantasma é de fato uma continuação dos maus-tratos de muitos trabalhadores. Para mim, a grande mudança é que nunca tivemos indústrias vendendo tão facilmente mão de obra contratada como automação – não apenas para tornar difícil para o consumidor ver a cadeia de abastecimento como podemos nos têxteis, nos alimentos e na agricultura, mas também para dizer que não há realmente uma pessoa trabalhando aqui. Fico arrepiada só de pensar: se isso for levado a todos os setores que efetivamente vendem serviços de informação, é muita gente e sua participação na economia é apagada. Isso também torna muito difícil para os trabalhadores se organizarem e recuperarem o poder.


Na verdade, trata-se do desmantelamento do emprego.


Na indústria têxtil, o que torna algo possível de se organizar é que você tem pessoas localizadas no mesmo prédio. É possível que eles vejam uma causa comum e digam: “Isso não está acontecendo apenas comigo”. Com o trabalho fantasma, nunca tivemos uma força de trabalho tão completamente distribuída globalmente. Isso cria um desafio muito diferente para os trabalhadores, tanto para chamar a atenção para seus problemas entre os consumidores quanto para ver que eles não estão sozinhos.


Por não se conhecerem, não podem exigir boas condições de trabalho. E porque a sociedade não sabe sobre eles, não há responsabilidade.


Exatamente. E de muitas maneiras, é este futuro que nos espera. Muitas indústrias sempre contaram com trabalhadores temporários. Mas agora nós construímos uma economia completamente baseada neles. Não há mais “Estou apenas preenchendo as lacunas aqui com empreiteiros e meus trabalhadores em tempo integral fazem a maior parte do trabalho”. Isso é radical. Devíamos realmente fazer uma pausa. Grande parte da corrente principal de nossa economia é ter um emprego de escritório, que está prestes a ser eliminado. Não há uma opção na qual possamos voltar para um trabalho em tempo integral, sob demanda e mais estável. Se não o pegarmos agora, todos os trabalhos se tornarão um trabalho fantasma. Na verdade, trata-se do desmantelamento do emprego.


Sim, o que mais me surpreendeu no seu livro é quantas pessoas altamente especializadas e com estudo superior estão fazendo trabalho fantasma. O fato de que tantas pessoas com mestrado estão se voltando para o trabalho fantasma realmente indica o quão longe permitimos que essa tendência crescesse.


O grande paradoxo dos serviços de informação sob demanda é que eles não podem ser facilmente automatizados. Qualquer trabalho que envolva atender às necessidades de outra pessoa requer um pouco de inteligência e atenção, então a educação universitária se tornou a nova barra da educação universal, e as pessoas que participam do ciclo tornaram-se fundamentalmente necessárias. Mas claramente não sabemos como valorizar isso.


Então, quais são as mudanças em grande escala que você acha que precisam acontecer para que não sejamos todos engolidos pelo trabalho fantasma?


Depender de um contrato de trabalho significa, essencialmente, que dependemos da disponibilidade de pessoas. Portanto, a intervenção número um de que os trabalhadores e as empresas precisam é reconstruir nosso contrato social de emprego em torno do valor da disponibilidade. Isso pressupõe que todos os adultos em idade produtiva têm o potencial de participar de nossa economia e são valiosos precisamente porque estão dispostos a trazer a capacidade humana distinta para responder aos pedidos de ajuda das pessoas aos projetos.


No momento, para garantir benefícios, gastamos muita energia tentando descobrir como trazer as pessoas para empregos de tempo integral, principalmente nos Estados Unidos. Devemos deixar de tentar garantir benefícios por meio de um local de trabalho. Em vez disso, devemos perguntar: “Quais são os benefícios que as pessoas precisam para poder participar deste tipo de economia?” Eles precisam de algumas coisas: acesso a assistência médica; folga remunerada; acesso a espaços saudáveis ​​de co-working; colegas e redes de companheiros e acesso à educação continuada para aprender como avançar e expandir suas capacidades.


Além disso, o que a maioria das pessoas precisa para tornar o trabalho contratado apropriado é a capacidade de controlar três coisas: seu tempo, suas oportunidades e chances de contribuir com diferentes redes de colaboradores que lhes ensinarão coisas novas que podem aplicar no próximo projeto. Se os equiparmos para controlar sua participação na economia – tornar possível entrar e sair do mercado conforme necessário por conta de enfermidades, formar famílias, aprender novas capacidades para aplicá-las em diferentes projetos – eles estarão mais capacitados para um trabalho contratual.

11 visualizações

© 2020 - Observatório Da Crise / Fundação Lauro Campos e Marielle Franco

Alameda Barão de Limeira, 1400, Campos Elíseos, São Paulo (SP)